terça-feira, 20 de novembro de 2007

Polis requalifica Cava de Viriato

A Cava de Viriato vai começar a ser recuperada, no âmbito do programa Polis. A empreitada, orçada em dois milhões de euros, foi ontem consignada.
As obras de recuperação e arranjo paisagístico de parte da Cava de Viriato deverão estar acabadas no prazo de nove meses, ou seja, no próximo Verão. Recorde-se que este monumento nacional é uma fortificação defensiva, situada na cidade de Viseu, em forma de octógono com dois mil metros de perímetro.
O representante da autarquia na sociedade Viseu Polis, Américo Nunes, realçou que esta fortificação defensiva – constituída por um talude de 15 metros de altura e um fosso externo – é "algo sui generis na Península Ibérica". Contou que existe "um monumento parecido no Iraque", em Samarra, e lembrou que, até hoje, se mantém a dúvida se a Cava de Viriato tem mesmo origem romana (século I antes de Cristo) ou se esta será árabe (século XI depois de Cristo).
"Os próximos tempos vão ser interessantes. Vai haver um trabalho de pesquisa arqueológica que vai complementar o que em tempos fizemos", afirmou Américo Nunes, esperando que fique definitivamente esclarecida a origem da fortificação.
Monumento nacional desde 1910
A Cava de Viriato é monumento nacional desde 1910 e está definida no Plano Director Municipal como espaço cultural. A intervenção vai incidir nas ruas dos Plátanos, do Coval e do Picadeiro (zonas do interior do octógono onde existem habitações), onde serão enterradas as infra-estruturas de abastecimento de água, luz e telefone e feitos pavimentos com acabamento em granito. Haverá uma praça entre a Rua do Picadeiro e o Coval que servirá de entrada para a Cava do Viriato, onde ficarão equipamentos de apoio, como instalações sanitárias e cafetaria.
A empreitada compreende ainda a recuperação de algumas zonas do talude, com limpeza e reformulação geométrica (através de movimentação de terra), criação de espaços verdes, iluminação, caminhos pedonais e mobiliário urbano.
"É um projecto de requalificação que fica aquém do que pretendíamos", devido aos cortes orçamentais, lamentou Américo Nunes, mostrando-se, no entanto, convicto de que, no futuro, será requalificada toda a área da Cava, "porque constitui uma referência para Viseu". O mesmo lamento foi deixado pelo presidente da autarquia, Fernando Ruas, lembrando que inicialmente estava prevista a criação de um centro de interpretação em articulação com o Ministério da Cultura e outros equipamentos ligados ao Ambiente e ao Desporto, que foram abandonados.
O autarca social-democrata lembrou que a Cava de Viriato "durante anos nunca teve qualquer intervenção" e que "foi um monumento ignorado durante muito tempo", considerando fundamental dotá-la de condições para atrair a Viseu quem se interessa por turismo cultural.
in Diário As Beiras 20-11-2007

1 comentário:

beirão disse...

A Cava de Viriato "durante anos nunca teve qualquer intervenção" e "foi um monumento ignorado durante muito tempo". Nada mais verdadeiro, só não compreendo que o autarca social-democrata não tenha aproveitado esta tirada para fazer um "mea culpa" da CMV,que só lhe ficava bem!
"Considerando fundamental dotá-la de condições para atrair a Viseu quem se interessa por turismo cultural" e também não deixando desiludido quem neste momento nos visita e procura o monumento de maior referência da cidade de Viseu.
De qualquer modo uma boa noticia!