sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Único fabricante ibérico de produtos ortopédicos naturais

João Esteves, o ajudante técnico de farmácia percebeu que o futuro estava na comercialização e fabrico de produtos ortopédicos. Estuda já a expansão para Espanha.
Há poucos anos, estava João Esteves na Bélgica a negociar a importação de uma linha de produtos ortopédicos, "ocorreu-me que o melhor era ser eu a fabricá-los", conta ao DN enquanto ultima o corte das peles de borrego com que fabrica os produtos.
Hoje, a Ortopédia Vida Nova, que comercializa a marca Berlipele, está reconhecida pelo Instituto Nacional do Medicamento (Infarmed) e tem dez produtos registados. E prepara-se para avançar para Espanha.
Este continua a ser o único fabricante ibérico de produtos ortopédicos naturais, de pele de borrego alentejano e apenas com material nacional.
"Em finais de 1991 deixei a farmácia onde trabalhava e lancei-me na comercialização de material ortopédico. A oportunidade existia, fui à Bélgica para agenciar uma representação", conta. Como os produtos "eram sintéticos e não correspondiam ao que eu pensava que o mercado queria, decidi fabricá-los".
A Berlipele fabrica almofadas antiescaras (úlceras de pressão causadas por situações de imobilidade), almofadas completas para cadeira de rodas, calcanheiras, cintas e coxins, enfim, uma gama completa de produtos para acamados .
Tudo em "pele natural, para ajudar quem passa muito tempo imobilizado, e a metade do preço do que se importa. Por exemplo, um colchão importado custa 2250 euros, sintético, enquanto o meu custa 550 euros mas em pele natural", diz João Esteves. Artigos, além de serem 100% naturais, são feitos integralmente com componentes nacionais.
Uma opção que o empresário reconhece ser de cariz nacionalista, apesar do risco. E explica: "Compro com 20% de IVA mas vendo com 5% porque são produtos médicos. O que me custa muito dinheiro, porque por norma o Estado só devolve o diferencial passados 18 meses e são muitos milhares de euros que ficam empatados."
A Berlipele vende mais de 200 mil euros para clientes tão díspares como o Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa, ou o novo lar da Aldeia da Luz, no Alqueva. A preferência das instituições de solidariedade social "é quase total.
Para além das garantias e da qualidade das espumas, todo o nosso material é ignífugo, um reforço de segurança acrescida".
texto de Amadeu Araújo in Diário de Noticias de 07.11.2008

1 comentário:

Fernando Fonseca disse...

Tenho a dar os parabéns ao empresário João Esteves pelo risco e empreendimento, assumindo grande expanção e com certeza irá conquistar novos mercados quer pela qualidade dos seus produtos quer pelo seu estilo empreendedor levádo a sério, com produtos para imobilizados mas também para a generalidade. Sou conhecedor e utilizador dalguns produtos e melhoraram o meu bem estar a 100%. Dezejo-lhe as maiores felicidades nas suas conquistas que é o que o nosso país precisa.