quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Feira de São Mateus 2008

A Feira de S. Mateus em Viseu abre as suas portas de 14 de Agosto até 21 de Setembro.



Programa

Historial

A Feira de São Mateus realiza-se desde 1392. A Feira era encontro de gente que comprava e vendia. Era também o encontro das culturas que se trocavam quase num inconsciente processo, longo, mas eficaz. Hoje a Feira de São Mateus tem esse pano de fundo. Mas é uma Feira nova. Cheia de gente. Mas de povo. è também Feira de encontro das culturas. Há música, folclore, arte, diversão, gastronomia. A Feira é sempre antiga e sempre mais nova. A mais longa e cativante Feira do território português.
Numa área de 18.000 m2 estarão presentes cerca de 400 expositores e feirantes, vindos de todo o país e alguns no estrangeiro representando todos os sectores de actividade com relevo para o artesanato, à espera de fazerem bons negócios com cerca de um milhão de visitantes. Esses negócios representam algumas centenas de milhares de contos ficando em Viseu e no seu Concelho uma parte significativa dessas transacções.
De 14 de Agosto a 21 de Setembro a Feira de São Mateus é uma cidade gémea de Viseu, a cidade da Feira. Tem vida própria. Abrem-se ruas de efémeras arquitecturas onde se arruma e expõem mil mercadorias. Abrem-se pavilhões com as obras novas do engenho dos homens, tecnologias de ponta e oferecem-se instrumentos de uso vário para as grandes necessidades. A Feira é um mar de gente que compra, vende, olha e se distrai. Não há hotéis, pensões, restaurantes que consigam dar resposta a tanta e tão variada gente.

Em 10 de Janeiro de 1392, de acordo com um documento de El Rei D. João I, foi criada a Feira Franca de Viseu. Trata-se de uma data consensualmente aceite pelos responsáveis como o comprova a comemoração dos 600 anos (1392 - 1992). A Feira Franca, nascida na Viseu Medieval, foi crescendo com surpreendente adaptação à evolução processada nas várias épocas, sendo, nos nossos dias, um testemunho clarividente da Viseu do séc. XX. No entanto, a Feira Franca de Viseu não teve somente tempos áureos, mas também de declínio, tendo chegado mesmo à quase extinção. Os séculos XV, XVI e XVII, foram séculos de grande fama para a Feira Franca de Viseu. No século XIX, com o desenvolvimento dos meios de comunicação e transporte, com a facilidade de envio de mostruários a toda a parte, bem como com a vulgarização do telégrafo, foi inevitável a decadência das feiras em geral, não tendo constituído excepção a Feira Franca de São Mateus, que viveu também algumas décadas de declínio. Posteriormente, a sua ascensão deveu-se principalmente à situação geográfica de Viseu, que impulsionava a vinda de muitos feirantes.

Da decadência ao reaparecimento No início do século XX a Feira Franca de S. Mateus, vai decrescendo de importância de ano para ano. A vinda da energia eléctrica para Viseu aconteceu somente em 28 de Junho de 1907, altura em que a Feira se resumia a uma simples rua de barracas, que não atingiam, talvez, duzentos metros. O declínio foi tão acentuado que por volta de 1916, a Feira Franca de Viseu praticamente se extinguiu. Em finais da década de vinte a Feira Franca de São Mateus volta a aparecer, agora, completamente rejuvenescida, passando a integrar nos seus programas festivos algumas das manifestações que enriqueceram as festas de Santo António, festas também denominadas "Festas da Cidade", foram bastante famosas trazendo a Viseu muitos milhares de forasteiros. A transferência de algumas das referidas manifestações para os programas da feira, conferiram-lhe um cunho próprio, inconfundível, dando-lhe fascínio e poder de atracção. Em 1936, dá-se o primeiro impulso rejuvenescedor, modificando-se a disposição dos abarracamentos e pavilhões e também a ornamentação e iluminação, que nunca mais deixaram de se valorizar. A par destas modificações introduziram-se no âmbito da feira de São Mateus outras manifestações que marcaram também a valorização desta Feira, são disto exemplo, as manifestações artístico - culturais, desportivas e recreativas, bem como as actividades dedicadas ás crianças. A feira de São Mateus é e continuará a ser a grande feira de Viseu e do País e é com este intuito que a Expovis se compromete a continuar.
Com os melhores cumprimentos.

O PRESIDENTE DA COMISSÃO DA FEIRA
JORGE FERNANDO NOGUEIRA E CARVALHO

4 comentários:

Álvaro disse...

Pena que Jorge Carvalho não fale da miséria que é a programação da FSM.
A terreiro da Feira é um dos melhores espaços que conheço para realização de eventos.
Milhares de euros foram gastos na valorização do espaço.
Os recursos humanos da EXPOVIs não foram valorizados.
TEmos uma feira em que a mentalidade de quem a dirige é medieval.
A Feira está eternamente igual.
Enfadonha. Desordenada. E irremediavelmente pimba.

JúliaML disse...

No que diz respeito a concertos, a Feira sempre deixou muito a desejar, segundo lembro...pena, realmente não ter havido evolução.

"Quem não sabe Arte não a estima" escreveu Camões.

Anónimo disse...

a critica sempre é o processo mais facil de expor os problemas mas o que realmente conta é a capacidade de os resolver.

Anónimo disse...

Gostaria de dizer que a Feira de São Mateus continua num amadorismo impressionante mas organizada por uma empresa profssional que paga bem aos seus administradores. Viseu não tem mesmo sorte nas organizações que lhe cabe organizar pelo facto de haver imensa incompetência.
Os próprios feirantes não querem que as pessoas visitem a Feira ao colocarem as carrinhas todas em fila em redor do certame. Coisas que não passam pela cabeça de nin guém...a não ser do presidente. Chega de amadorismos. Estamos numa época de qualidade. De exigirmos qualidade. o Espaço da Feira foi alterado, para pior. Acabar com a antiga avenida principal do certame é de quem nunca viveu a Feira, de quem nunca foi viseense. Ser politico é ser responsável...ou devía.
Sem mais, desculpem o desabafo... mas irrita tanta falta de qualidade.

Carlos Jorge Esteves